Desabafos (II)

Lembro-me de, quando era criança, pensar que não tinha problemas. Melhor, os meus problemas eram, apenas, os problemas outros. Pensava então que se os outros não tivessem problemas eu também não teria. Hoje, além dos problemas dos outros, já tenho os meus. E, estes, chegam. Possivelmente, agora os meus problemas serão também os problemas de alguém. Porém, faço por isso não acontecer, porque sinceramente sei que os problemas de cada um são mais do que suficientes. Chego mesmo à conclusão que, por vezes, a ignorância, de certas coisas, faz de nós pessoas mais felizes. Não quero dizer que não se deva partilhar problemas e pedir ajuda. Claro que se deve. Mas só no caso de daí advir algum beneficio, para nós ou para o outro. Se não, num acto altruísta, mais vale ser egoísta e ficar com os problemas só para nós. Tenho dito.

Sem comentários: