Um dos poucos exemplos tristes de São Nicolau

Por viver na vila, local mais importante da ilha de São Nicolau, nem sempre me apercebo das carências e das dificuldades que as pessoas passam. Mas a vila não é um exemplo do modo de vida da maior parte dos Cabo verdianos. De facto, a realidade é muito diferente. A maior parte da população vive com enormes dificuldades, colocando muitas famílias, e até localidades, em situações de pobreza extrema.

Apesar de muitas situações estarem escondidas, há sempre algumas que se vêm a saber. Em São Nicolau, descobriu-se agora um caso de abusos sexuais com menores. Ao que parece, três meninas, de idades compreendidas entre 10 e 14 anos, actuais, foram aliciadas para terem relações sexuais com um conjunto de homens, inclusive um professor primário, de uma determinada localidade da ilha. A situação permaneceu escondida durante anos, tendo vindo a ser descoberta agora.

Esta situação agora descoberta, apesar de não ser frequente, não me espanta. Penso, no entanto, que as coisas mais graves ocorrem dentro das próprias famílias, no interior das suas casas e que só não se sabem por cumplicidades familiares, vergonha e pelo facto de a mulher ainda ter um papel menor perante a sociedade. Aliado ao problema do alcoolismo existem muitos outros factores que favorecem estas situações. Existem famílias inteiras a compartilharem apenas uma divisão ou mesmo uma só cama. Ainda para mais, aqui é muito normal uma mãe ter filhos de outros relacionamentos a viver consigo. Além disso, existe uma cultura de promiscuidade entre homens e mulheres completamente aceite e enraizada na sociedade. A vida sexual começa muito cedo, sendo a gravidez precoce uma realidade. Aqui a palavra pedofilia também tem um significado diferente, pois não está associada à idade mas sim ao corpo.

Estou certo que esta realidade não é exclusiva de África. Muito menos de Cabo Verde. Infelizmente, esta realidade está em todo a lado. No entanto, a cultura de um país, por muito diferente que seja, não pode ser desculpa, nem escape, para situações completamente reprováveis e contrárias aos direitos dos homens e das crianças.

Sem comentários: