Uma conversa de nada

Pois é... Pois é, pá. Se não fosse isso, não sei, pá. Ouve lá ... tu sabes como é. Há alturas em que uma pessoa tem de ser ela própria . Tem de decidir, pá. E depois não é só isso, ainda tem montes de outras coisas... um gajo fica às aranhas. Não dá, meu. Não dá mesmo. É que eu não tou pra isso. Tás a ver? Tu sabes que eu sou asim mesmo. Quanda tenho a dizer, digo na cara. è ou não é? Que culpa tenho eu, pá? È pá, isto é assim mesmo, ou um gajo assume ou não. Não me venham cá com histórias da carochinha, que não sei quê e não sei que mais. Ainda por cima não havia avião. A chuva é do caraças. A chuva, pá. Olha lá pró outro, pá. Ele é que fez bem... Também te digo, a vida é mesmo assim, pá. Uma linha recta, meu. Não sei tás a ver? Um gajo não se pode desviar, pá. Isto é mesmo assim. Tou-te a dizer, pá. Independência, meu. Como é que achas que o Bill Gates chegou onde chegou? Linha recta, meu. Fixa isso.

Sem comentários: