O problema de Portugal não são os políticos. São os portugueses.

Aproveitando o amuo da esposa, permito-me, durante os próximos minutos, tentar escrever uma ou duas coisas que me parecem muito pertinentes, apesar de pouco interessantes.

Já devo ter dito algures que a democracia só servia para Portugal se fossem os suecos ou os finlandeses a votar por nós. Não é que eles sejam mais espertos ou menos egoístas. Simplesmente, por estarem longe, não seriam parte interessada. E assim, talvez vissem as coisas com outro alcance, sem a mesquinhez que nos faz desejar que tudo fique na mesma e nos impede de deixar fazer aquilo que tem de ser feito.

Por issso que, enquanto professores, médicos, enfermeiros, policias, militares, juízes, magistrados, farmacêuticos, notários, funcionários públicos, cidadãos em geral, populações em particular, e sei lá mais quem, manifestarem-se na rua ou fizerem greve, este governo tem o meu apoio.

2 comentários:

José disse...

Ora viva!!

Voltei a espreitar o teu blog...

Este texto fez-me lembrar aquela piada em que um senhor conduz, em contra-mão, na auto-estrada e ao ouvir na rádio o locutor a informar os automobilistas para terem cuidado pois encontra-se um veículo a circular em contra-mão, pensa:
"Vai um?! Vão todos!!"

Ou seja, essas classes profissionais estão todas erradas, com os professores "à cabeça", claro. Só tu e o Eng.(?) Sócrates é que estão certos. Ah... e os finlandeses também... Não tivessem eles tudo a ver connosco...

Grande abraço!

Sr. Leopoldo disse...

acho que te atiraram ao tapete!
:)
Cada vez mais me convenço que os portugueses gostam de ser medíocres!